Barebacking: Roleta Russa do Sexo... -.-

Integra Type R O título desse post pode assustar, mas embora pareça sensacionalista, ilustra bem a nova moda entre os norte-americanos que, em busca de aumentar o prazer sexual fazem festas "roleta russa", cuja atração principal é o risco de contrair AIDS.
Tudo começou em São Francisco, com o surgimento das "barebacking parties", festas organizadas para que todos (de ambos os sexos) mantenham relações sexuais sem o uso do preservativo e das "Russian Rolette Partie", na qual 10% das pessoas são soropositivas e as demais negativas. Nesse tipo de festinha, somente o organizador sabe quem são os infectados com o vírus (chamados de "presente") e é estritamente proibida a entrada, uso e venda de preservativos - ou seja - entrou, está exposto.
Além disso, é crescente o número de casais homossexuais que se contaminam voluntariamente, a fim de assumir uma situação de igualdade diante do parceiro e com isso livrar-se definitivamente do uso da camisinha.
A essa altura você deve estar se perguntando se existe alguém que apóia tais iniciativas. A resposta é positiva. Segundo a revista Veja, o mais influente ativista contra o uso da camisinha, o californiano Tony Valenzuela, é famoso pelos seus discursos inflamados contra a prevenção. "O sexo sem preservativo tem um valor original que resulta em elevado nível de intimidade e erotismo incomparável", declarou ele ao site da organização Sex Panic.
Segundo os ideais bareback, essa foi a forma encontrada para questionar a sociedade, seus dogmas sexuais e mentiras. O próprio sucesso nos tratamentos da AIDS acabou influenciando esse movimento. Hoje, com a ajuda de coquetéis e medicamentos, a sobrevida de um soropositivo aumentou para vinte anos ou mais, o que diminuiu proporcionalmente o número de mortes em conseqüência da doença, desde 1996. Entretanto, a situação é tão alarmante que algumas comunidades gays européias descrevem casos de desempregados que se contaminaram propositalmente para obter benefícios oferecidos aos portadores do vírus da AIDS, como auxílio moradia, alimentação e tratamento.

Bonito, não?

"Quero sofrer tudo até a última gota, quero tudo a que tenho direito – as coisas boas e ruins – e não pretendo deixar nada pra ninguém"

4 interessados:

.jessica - sng. disse...

tem gente que gosta de viver o perigo auhauahuahuahauhauah

João Japa disse...

Radical... bora fazer tb =D

Chogo disse...

medonho parceiro o.o

Kazuya-kun disse...

Se você não dissesse que era nos EUA, eu acharia que era no Japão